Não me surpreendo com isto, pois os bandidos que tomaram o Poder são pautados pelos senhores do norte.
O Editor

 

Posted: 12 Mar 2018 07:40 PM PDT

O Observatório Europeu do Sul (ESO), um consórcio internacional dedicado à pesquisa em astronomia, decidiu suspender a participação do Brasil. A suspensão ocorreu pela demora do país em efetivamente confirmar a sua entrada no grupo, e passar a pagar a parte que lhe cabe. A decisão da entidade, aprovada em conselho, foi divulgada nesta segunda-feira (12). Assim, cientistas brasileiros podem ter dificultado seu acesso ao uso dos telescópios do ESO, que estão entre os mais importantes do mundo. Também indústrias brasileiras perdem o direito de participar de concorrências para fornecer insumos para o consórcio.

Um acordo entre o ESO e o Brasil foi assinado em 2011 e o País foi declarado “membro em ascensão”, mas ainda faltava que o acordo fosse definitivamente ratificado pelo Congresso Nacional, o que aconteceu em 2015. O avanço do ingresso do Brasil agora dependia da sanção presidencial. Pela parceria atual, pesquisadores poderiam acessar as instalações do observatório, mas o País não fazia parte do conselho diretivo. O ESO diz, no entanto, que os projetos em andamento serão inalterados e que uma renegociação da volta do Brasil ao projeto será bem-vinda. “O Conselho do ESO reitera que o Brasil continua a ser um valioso parceiro potencial do ESO e deseja acolher o Brasil como Estado Membro no futuro”, finaliza a nota.
O ESO é uma associação de 14 países que há 50 anos opera no Chile — uma das principais instalações do observatório é o “Very Large Telescope”, tido como o instrumento óptico mais avançado do mundo. O consórcio também opera o maior radiotelescópio do mundo, o Alma, inaugurado em 2013 num platô nos Andes.
 Copiado de:  www.videversus.com.br