Por :    Profa. Guilhermina Coimbra

A atenta população brasileira já percebeu.

Essa  operação “lava no tanque de lavar”, “lava na máquina de lavar” ou “lava jato” nada mais é do que uma tática – ou será estratégia? – objetivando eleger determinados candidatos  – super apoiados pelos interesses de fora do Brasil, dentro do Brasil.

Dos oito potenciais candidatos cinco já foram indiciados.

A população percebe o indiciamento desses cinco candidatos como uma tentativa – fajuta – de exibir isenção política.

 

 

A percepção pública brasileira é a de tratar-se de um teatrinho armado, tipo assim: indiciamos todos como forma de indiciar aquele (s) que nos interessa (m). Depois, liberamos o indiciado preferencial, do grande esquema, ou, prestigiamos um novo  nome do mesmo esquema.

 

A população brasileira está atenta.

 

Não elege mais,  de modo algum, nenhum candidato da velha – caduca e corrupta – política, há décadas ocupando lugares de destaque no cenário político nacional brasileiro, recebendo seus estipêndios pagos pelos contribuintes brasileiros, mas,  fazendo conchavos e trabalhando acintosamente contra tais interesses.

 

A população brasileira atentamente não admite que  continuem insistindo na  vergonhosa “dança das cadeiras”.  Verdadeira exibição ao mundo de  falta de imaginação ilimitada, ausência de conhecimentos e uma forma de  ignorar os inumeráveis talentos brasileiros.

A percepção é a de que se esforçam pelos caducos e corruptos porque estão habituados com o esquema, têm o “know how” da corrupção.

 

Mas a população brasileira abomina os candidatos da velha guarda, todos  coniventes com o que de pior existe na política brasileira.

Os políticos brasileiros tiveram a oportunidade de governar o Brasil como um verdadeiro Estado, preservando – com unhas e dentes afiados – os interesses internos. Exatamente como o fizeram para os seus respectivos Estados, os grande Estadistas Charles De Gaulle da França, Adennauer, da Alemanha e demais Estados europeus.

 

A Europa sofrida do pós-guerra é exemplo para o Brasil. Os Estados europeus são exemplos para aqueles que têm a pretensão de governar o Brasil. O modelo europeu de integração é exemplo, inclusive, para a necessária integração dos países da América do Sul. A Europa – inteligentemente –  se uniu para não ficar à mercê dos EUA e do Japão , após o término da 2ª Guerra Mundial. E o Brasil  – ótimo sócio comercial internacional de sócios diversificados  – tem que, cada vez mais, diversificar os sócios.

 

A população brasileira, inteligentemente, percebe o Brasil como um país continental que se basta em todas as áreas da economia e se for obrigado a se fechar, sobreviverá como já teve a oportunidade de sobreviver e prosperar, no Império e durante a 2ª Guerra Mundial.

 

Consciente de que se Estado não tem  amigos, Estado tem interesses,  a população brasileira está atenta, de modo a impedir que governante algum do Brasil, na administração dos bens públicos brasileiros – venha a prejudicar os residentes no Brasil, privilegiando amigos no âmbito internacional e fazendo, dos negócios públicos brasileiros, negócios privados deles e dos respectivos amigos.

 

Quanto à eleições de 2018, a população brasileira está atenta aos patrocínios de fora do Brasil para eleger dentro do Brasil. Não existe almoço nem jantar de graça e a população brasileira se recusa terminantemente a se ver obrigada a pagar qualquer um dos dois.

 

São milhares, os brasileiros bem preparados, honestos e bem intencionados.

 

Fazer uma faxina e aposentar os políticos profissionais do Brasil é urgente e premente para a defesa dos interesses dos residentes no Brasil.  Já tiveram tempo de mostrar a que vieram. Mostraram e não agradaram.

A população brasileira não aceita ser obrigada a votar nos mesmos politiqueiros profissionais e seus amiguinhos da vez , entre milhares de brasileiros bem preparados e de moral ilibada.

 

A população brasileira está atenta. É inteligente, perspicaz, amiga e bem humorada. Mas, recusa-se – terminantemente – a eleger, re-eleger e manter os políticos profissionais do Brasil, para defender interesses privados,  prejudiciais  aos residentes no Brasil.

 

O Brasil merece respeito.

 

  • Curriculo Lattes, Pesquisadora, CNPq, CAPES, FGV-Rio, FAPERJ.
  • Fonte:  http://www.abdic.org.br/index.php/1647-a-percepcao-da-populacao-brasileira-e-as-eleicoes-de-2018