Faz mais de meio século que contribuo à Previdência do Estado com TREZE POR CENTO do meu rendimento bruto. Para onde foram tais valores? Que o digam os sucessivos GOVERNOS, jamais me foi informado o que fizeram com o dinheiro meu e dos demais servidores que ingressamos pela porta da frente e pela mesma saímos depois de cumprimos nossa obrigação.

O Editor

 

 

 

 

A Previdência do governo gaúcho vive uma situação alarmante, com um rombo que em 2019 passará de R$ 12 bilhões, configurando-se na pior situação per capita do país, afirmou nesta quarta-feira (20) o governador Eduardo Leite durante palestra no Tá na Mesa da Federasul em Porto Alegre. “Até agora, 82% da despesa liquidada estão comprometidos com pagamento de pessoal. O atraso dos salários dos servidores é apenas a face mais visível desse caos financeiro. Ao lado disso, a capacidade de investimentos despenca ano após ano. Falta dinheiro para quitar a folha em dia, mas também falta dinheiro para atender as expectativas do cidadão, que paga altos impostos e não vê os recursos chegando para melhorar escolas, estradas, serviços de saúde e segurança. Os recursos estão sendo drenados para sustentar a máquina pública e nem isso conseguimos fazer. Os servidores acabam pagando dobrado, sem receber em dia e ainda pagando impostos majorados, afinal, também são cidadãos gaúchos. É por isso que uma reforma estruturante torna-se inevitável. Ou fizemos agora ou, mais adiante, pode ficar inviável”, afirmou Leite. “Não tem solução simpática para uma situação dramática”, enfatizou o governador ao detalhar as medidas e relembrar o cenário fiscal. “Ou fizemos agora (a reforma) ou, mais adiante, o Estado pode ficar inviável”, disse.

Copiado de:  www.AffonsoRitter.com.br