Praia de Xangri-Lá

Saiba tudo o que REALMENTE acontece em Xangri-Lá

Autor: jloeffler (Page 1 of 4539)

“BOLHAS DIGITAIS” E OUTROS TEMAS

 

(E MARILLE FRANCO E ANDERSON GOMES)

EMANUEL MEDEIROS VIEIRA


Michiko Kakutani – que foi crítica literária do “New York Times” por quase quatro décadas –medita sobre a “erosão do valor dos fatos e do conhecimento, na Era Trump.

Autora do livro “A Morte da Verdade”, ela afirma, em entrevista à “Folha de S. Paulo”, que “a ascensão da subjetividade e os ataques acelerados aos fatos são resultado de várias dinâmicas simultâneas, incluindo o argumento pós-moderno de que não existe verdade objetiva”.

Isso vale para o Brasil de hoje.

Para ela, as redes sociais contribuíram para isolar as pessoas em “bolhas”, conversando só com pessoas que pensam como elas e expostas apenas a informação que tende a ratificar crenças preexistentes.

Kakutani adverte que ”outros fatores deram combustível à ascensão do populismo nesta era em que a globalização, as mudanças tecnológicas (…), criaram ansiedades em pessoas que temem perder seu emprego e seu status – ansiedades que as fazem suscetíveis a apelos de políticos inescrupulosos à raiva e ao medo”.

Além disso, ESTAMOS ATORDOADOS PELA SOBRECARGA DE INFORMAÇÕES.

O (suposto) triunfo da democracia liberal deu lugar a um ressurgimento do autoritarismo ao redor do mundo – do qual não escampamos.

A DEMONIZAÇÃO DA DIFERENÇA

Junto com a negação da verdade, num clima de histeria coletiva, ocorre a DEMONIZAÇÃO de quem pensa diferente, das minorias e dos setores mais vulneráveis da sociedade.

MESMO CORRENDO O RISCO DE USAR PALAVRAS DESGASTADAS PELO USO CONTÍNUO, PERCEBE-SE CLARAMENTE O RENASCIMENTO DO FASCISMO E DO NEONAZISMO.

Ataques virulentos são feitos ao que é diferente da “norma”.

É O TRIUNFO COMPLETO DO ANTI-INTELECTUALISMO.

Como ocorre diariamente nos EUA com Trump – desqualificando brutalmente trabalho da imprensa séria –, tais ecos já são sentidos no Brasil.

Como disse Katherine Graham, que foi “Publisher” do jornal “The Washington Post” na era Watergate, “NOTÍCIA É AQUILO QUE ALGUÉM DESEJA SUPRIMIR. O RESTO É PUBLICIDADE”.

MARIELLE E ANDERSON

Muitos já fizeram e fazem a mesma pergunta: os assassinos da vereadora MARIELLE FRANCO do motorista ANDERSON GOMES serão punidos?

Faz mais de oito meses da morte de Marielle e de Anderson (em 14 de março de 2018) e a impunidade perdura.

O general Richard Nunes, secretário de Segurança do Rio de Janeiro, afirmou, no dia 21 de novembro, que milicianos e pessoas ligadas ao poder público e ao meio político tramaram a sua morte.

De acordo com ele, os principais suspeitos do complô já foram identificados e a polícia está agindo de forma cautelosa para embasar a condenação dos suspeitos pela Justiça.

Esperamos que os assassinos e mandantes – mesmo com influência, dinheiro e poder que detenham – sejam presos , julgados e punidos.

(Brasília, novembro de 2018)

Governo Temer bate Sarney e atinge recorde de reprovação em fim de mandato

O governo do presidente Michel Temer (MDB) atingiu recorde de reprovação perante a população brasileira quando analisadas as avaliações de governos anteriores no fim de seus mandatos, mostra pesquisa Ibope encomendada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) divulgada nesta quinta-feira (13).

Para 74% dos entrevistados, o governo Temer é ruim ou péssimo, enquanto 5% o consideram ótimo ou bom. Para 18%, o governo é regular e 3% não souberam ou não responderam. A constatação leva em conta a série história CNI/Ibope desde a redemocratização, com início no governo de José Sarney (MDB).

Nas eleições de outubro deste ano, Jair Bolsonaro (PSL) foi eleito presidente da República. Ele sucederá Michel Temer no Palácio do Planalto e tem posse marcada para 1º de janeiro de 2019.

Até o momento, o governo mais mal avaliado entre os presidentes em fim de mandato havia sido o de Dilma Rousseff (PT). A última pesquisa do segundo mandato da ex-presidente, datada de março de 2016, dois meses antes da aprovação do impeachment, aponta que seu governo era então reprovado por 69% da população e aprovado por 10%.

Antes dela, o índice pertencia ao ex-presidente José Sarney (MDB). Pesquisa da série CNI/Ibope realizada em novembro de 1989, última de seu governo, mostra que ele encerrou o mandato na Presidência com o governo sendo reprovado por 60% dos brasileiros e aprovado por 9%.

Veja a reprovação de cada governo quando do presidente ao fim de seu mandato (datas são relativas às últimas pesquisas de cada governo):

José Sarney (nov/89): 60%
Fernando Collor (ago/92): 59%
Itamar Franco (dez/94): 11%
Fernando Henrique Cardoso (1º mandato – nov/98): 21%
Fernando Henrique Cardoso (2º mandato – out/02): 36%
Luiz Inácio Lula da Silva (1º mandato – dez/06): 13%
Luiz Inácio Lula da Silva (2º mandato – dez/10): 4%
Dilma Rousseff (1º mandato – dez/14): 27%
Dilma Rousseff (2º mandato – mar/16): 69%
Michel Temer (dez/18): 74%

Maneira de governar e confiança
Segundo a pesquisa Ibope/CNI, os que aprovam a maneira de governar de Temer são 9% da população ante 85% dos que desaprovam. Os que não souberam responder ou não quiseram responder ficaram em 5%.

Temer também chega ao fim do mandato com 7% dos brasileiros confiando nele. O índice dos que não confiam ficou em 90%. Os que não souberam responder ou não quiseram responder são 3%.

Errata: o texto foi atualizado
13/12/2018 às 12h25
A primeira versão deste texto trouxe a informação de que a maior taxa de rejeição antes do governo Temer pertencia ao ex-presidente José Sarney, mas é Dilma Rousseff a ex-presidente com a segunda maior rejeição de governo em fim de mandato.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Leia mais: http://jornalpequeno.blog.br/johncutrim/governo-temer-bate-sarney-e-atinge-recorde-de-reprovacao-em-fim-de-mandato/#ixzz5ZZxgQ1Am

O VALOR DO COSTUME

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

“Consuetudo loci  observanda est”, já diziam os antigos romanos de quem herdamos tantas jóias jurídicas. Os costumes do lugar devem ser observados. O Direito romano perdura até hoje, tendo tido, de parte dos germânicos, um aperfeiçoamento notável. Há muitas obras interessantes narrando como  os antigos romanos, além de conquistarem a então “Germânia”, difundiram seu sistema jurídico e mais, deixaram incrustado o latim na língua hoje alemã. Exemplos: soldat, revolution, apparat, vater e por aí vai.
No nosso
sistema jurídico o costume sempre foi considerado como uma das fontes do
Direito.
Pois no
campo o costume local deve ser observado, não só no aspecto jurídico, mas no
social. Vou dar exemplos: muitos negócios ocorrem com base no costume. Na
região onde temos fazenda os campos são medidos em quadras de sesmaria, que
equivalem a 87,12 hectares. Nos arrendamentos de campo duro, por exemplo, se
for para pecuária, o valor do arrendamento anual, por quadra, é de  cerca
de 4.000 quilos de boi gordo ao ano. Toma-se o valor do quilo vivo ( no Rio
Grande do Sul não se usa arroba) do boi como multiplicador. É assim e não se
muda.
Existem,
porém, outros costumes sociais. Na sexta-feira santa ninguém trabalha. Essa
data é cheia de preceitos. Nem pensar em comer carne, beber leite, se olhar no
espelho, dar risada, dançar ou até namorar, nem mesmo sendo a patroa…
A casa do
peão ou do capataz casado é um lugar sagrado, mesmo não sendo de propriedade
deles. O dono não pode chegar na porta da casa do empregado e ir entrando,
muito menos se ele não estiver. A esposa atenderá na porta.
O gaúcho
pampeano é muito cerimonioso no trato interpessoal. Assim, é de ótimo alvitre
dar tratamento de senhoria ao capataz e aos peões. Para as esposas também. E
tratar com muita prudência as filhas.Nada de gracejos ou comportamento dúbio. O
campeiro tem um zelo enorme por sua família e um desrespeito moral pode
terminar mal.
No caso
de um vizinho ter um cachorro matador de ovelhas, você terá que pedir a ele as
devidas providências e não agir por conta própria. É certo que ele solucionará
o problema. No caso de um animal alheio varar para sua propriedade, você mesmo
pode, havendo porteira, colocá-lo de volta. Do contrário tu levas o animal até
tua mangueira e avisa o proprietário para o buscar.
Sobrevindo
uma seca danada e os açudes e sangas do vizinho secarem, é costume secular
deixar o lindeiro trazer os animais mais fracos, desde que teus açudes ou
sangas estejam  em condição ainda não crítica. E para nada disso existe
contrato, papel ou lei..
Copiado de:   http://ruygessinger.blogspot.com/2018/12/o-valor-do-costume.html

Em reunião com Moro, Flávio Dino chama atenção para superpopulação carcerária, tráfico e fronteiras

O governador Flávio Dino participou nesta quarta-feira (12), em Brasília, do Fórum de Governadores. Trata-se de uma reunião de alinhamento entre os governadores eleitos e futuro governo federal, que tem como pauta central políticas para a área de segurança pública.

Durante a reunião, o governador Flávio Dino demonstrou preocupação com temas como a superpopulação de presos provisórios no sistema penitenciário, tráfico de drogas e patrulhamento de fronteiras.

Preocupado com o estrangulamento do sistema penitenciário, Flávio Dino questionou qual abordagem o novo governo federal terá em relação a essa temática junto ao Ministério Público e ao Poder Judiciário. “Uma vez que, sem isso, não há uma solução para o problema de superlotação”, observou.

De acordo com o governador, os presos provisórios representam grande estrangulamento do sistema penitenciário. Praticamente metade dos detentos é provisória.

“A execução antecipada da pena, no segundo grau, naturalmente vai agudizar o problema. Então, nós precisamos de portas de saídas do sistema penitenciário, ou construir mais penitenciárias.” Ele ressaltou que, hoje os governadores apenas pagam a conta, já que a decisão de entrada e saída é do Judiciário.

Tráfico

O governador também demonstrou preocupação com o tráfico de drogas, que está diretamente associado a vários crimes violentos. Para ele, é fundamental medidas nesse sentido, uma vez que a maior parte da população do sistema penitenciário está articulada com redes de tráfico.

No que diz respeito ao patrulhamento das fronteiras, Flávio disse ser possível atribuir poder de polícia às Forças Armadas, especificamente nesse caso, para colaborar com o trabalho já realizado pela Polícia Federal.

“A PF é muito pequena, e tem que cuidar de quase tudo, inclusive das fronteiras”, avaliou.

“É necessário falar de recursos, mas é importante tocar nos mecanismos de cooperação interfederativos, para que se possa avançar não só no que se refere a leis, mas também no que se refere ao instrumental tecnológico necessário para melhorar a segurança pública”, acrescentou.

O conteúdo deste blog é livre e seus editores não têm ressalvas na reprodução do conteúdo em outros canais, desde que dados os devidos créditos.

Leia mais: http://jornalpequeno.blog.br/johncutrim/no-forum-de-governadores-flavio-dino-chama-atencao-para-superpopulacao-carceraria-trafico-e-fronteiras/#ixzz5ZXot8pjX

Goldman Sachs confirma: objetivo é dilapidar a Petrobrás

 

Escrito por  Cláudio Oliveira Lido 1374 vezes

Pompou favor repassar  e divulgar

A Money Times informou que nesta quinta-feira (06/12) o Goldman Sachs, um dos maiores bancos de investimentos do mundo, enviou relatório a seus clientes informando da análise do novo Plano de Negócios e Gestão – PNG da Petrobras, divulgado na quarta-feira (05/12), conclui-se que a empresa pretende fazer uma distribuição adicional de dividendos, no período 2019/2023, num montante equivalente a US$ 40 bilhões.

https://moneytimes.com.br/dividendos-petrobras-pode-se-alinhar-as-maiores-do-mundo-avalia-goldman-sachs/

Há muito tempo venho alertando que os PNG’s elaborados à partir da entrada de Pedro Parente escondem de maneira sórdida e sorrateira os verdadeiros objetivos das premissas sob as quais são montados.

Em janeiro de 2017 denunciei o PNG 2017/2021 como a prova do crime de lesa-pátria em andamento:

https://www.ocafezinho.com/2017/01/23/petrobras-plano-de-negocios-png-20172021-conduz-empresa-para-o-fosso/

Em julho de 2018, estarrecido demonstrei que o PNG 2018/2022, havia sumido com US$ 25 bilhões da Geração da Caixa, sem nenhuma explicação. Uma verdadeira fraude.

http://www.aepet.org.br/w3/index.php/conteudo-geral/item/2007-png-2018-2022-da-petrobras-sumiu-com-us-25-bilhoes-da-geracao-de-caixa

Na última semana, com a divulgação do PNG 2019/2023, publiquei artigo (vide abaixo) constatando que o rombo cresceu para US$ 60 bilhões. Tudo disfarçado com informações irrelevantes, mostrando total falta de compromisso com a transparência.

http://www.aepet.org.br/w3/index.php/conteudo-geral/item/2507-png-petrobras-2019-2023-falta-muita-transparencia

Passado todo este tempo, até hoje não li uma linha sequer, escrita por comentaristas econômicos brasileiros ou estrangeiros, sobre este verdadeiro escândalo.

Agora aparece o Goldman Sachs, que a Wikipedia diz ser conhecido como “a hidra” por sua habilidade de infiltrar-se nas altas instâncias dos Estados, cujos técnicos avaliam existir um adicional de US$ 40 bilhões de pagamentos de dividendos no PNG 2019/2023.

Na minha estimativa considerei que este adicional seria de US$ 60 bilhões, uma diferença de US$ 20 bilhões para o cálculo da Goldman Sachs. Creio que os técnicos da Goldman Sachs não consideraram que grande parte da Geração de Caixa futura virá da Cessão Onerosa, onde a companhia é isenta do pagamento da “participação especial”.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse em recente entrevista: “A Petrobras não tem recursos para explorar o pré-sal.”

É claro, se a empresa destina um adicional de US$ 60 bilhões para pagamento de dividendos não vai sobrar nada para o pré-sal.

Hoje, se a Petrobras quiser, num estalar de dedos, consegue captar mais de US$ 100 bilhões para investir no pré-sal.

É uma questão de opção :

a) Pagar dividendos excessivos para os fundos abutres e entregar o pre-sal para as petroleiras estrangeiras

ou

b) Investir no pré-sal gerando empregos, renda, tecnologia e impostos no Brasil.

Caberá ao novo governo a decisão.

Cláudio da Costa Oliveira 
Economista aposentado da Petrobras

Lula abofetea a Globo y Moro de nuevo [+ video]

Los principales responsables de la prisión de Lula para fraudar la elección de 2018 tuvieron que conformarse, de nuevo, con el apoyo y el respeto que él conquistó en el corazón y en el alma de los brasileños. Globo y Sergio Moro, responsables del fraude electoral de 2018, siguen siendo desafiados por el ex presidente y por una infinidad de los que están agradecidos por su obra.

El coraje de Lula enloquece a sus enemigos y verdugos. El ex presidente ya podría haber sido liberado. Para ello, sólo tendría que someterse a sus enemigos. Si bajara la cabeza, sería suelto porque, preso, acentúa el clima político en el país. Pero Lula es forzado en la lucha, en la resiliencia y es básicamente imposible que se rinda. Muere luchando.

Esto se traduce en la carta que escribió a la militancia petista recientemente.

Ocho meses después de ser arrestado, el ex presidente Lula escribió una carta para ser leída a los seguidores el lunes en el Sindicato de los Metalúrgicos del ABS, donde fue arrestado. Lula reafirmó que es víctima de una condena injusta y dijo ansiar el día del reencuentro con su pueblo:

“Hoy estoy seguro de que tengo el sueño más ligero y más conciencia que los que han me condenado. No quiero favores; quiero simplemente justicia. Me gustaría no cambiaría mi dignidad para mi liberación ”

Él enloquece a sus enemigos porque mantenerlo atrapado tiene un enorme costo político nacional e internacional. Prueba de ello es la reciente carta enviada a las autoridades brasileñas por el relator independiente de la Organización de las Naciones Unidas (ONU) para la protección de la Libertad de expresión, David Kaye.

“Expresamos nuestra preocupación sobre la decisión de prevenir la prensa de entrevistar a Lula en la cárcel”, escribió el relator, en una carta fechada el 10 de octubre, en la que cita como base la decisión que involucra al diario Folha de S. Paulo. La comunicación fue dirigida a la misión de Brasil en la ONU, que tuvo como responsabilidad repasar el documento para Brasilia.

Brasil está pagando un alto precio político ante la comunidad internacional por no respetar la decisión de la ONU de exigir que Brasil permita que Lula sea candidato en la elección de este año. Si él bajara la cabeza, podría ser suelto y la vida dos golpistas sería más fácil.

En el caso de Lula no se rinde, los golpistas tienen que lidiar con la desmoralización internacional de Brasil por arrestarlo sin pruebas y con faldas justas como, en plena Globo, en horario noble, el actor Alexandre Nero elogiar al ex presidente en la cara de Faustão o como el nuevo presidente del Tribunal de Cuentas de la Unión elogiar al mismo Lula en la huida de Sergio Moro.

Vale revisar esas escenas memorables, de lavar el alma. (Traducción de Google)

Fuente original: https://blogdacidadania.com.br/2018/12/lula-esbofeteia-globo-e-moro-de-novo/

Copiado de:  https://islamiacu.blogspot.com/2018/12/lula-abofetea-globo-y-moro-de-nuevo.html

A Importância estratégica do refino para o Brasil e para a Petrobrás

 

Por Paulo César Ribeiro Lima, para o Duplo Expresso

De 1954 ao início da década de 1980, a Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobrás foi uma empresa, basicamente, de refino. Naquele período, apesar de a produção de petróleo ser muito abaixo da sua demanda, o Brasil se orgulhava de ter uma capacidade de refino superior às suas necessidades de derivados.

Constitucionalmente, a Petrobrás manteve-se como executora do monopólio estatal do petróleo nas atividades de exploração, produção, refino, transporte e comércio exterior até a promulgação da Emenda Constitucional nº 9, de 1995. Com a promulgação dessa Emenda, a União passou a poder contratar com empresas estatais ou privadas tais atividades.

Com relação ao refino, atualmente o parque brasileiro conta com 17 refinarias, com capacidade para processar 2,4 milhões de barris por dia, mesmo valor de 2016. Treze dessas refinarias pertencem à Petrobrás e respondem por 98,2% da capacidade total de refino. O Brasil conta, ainda, com 97 terminais autorizados, sendo 9 centros coletores de etanol, 55 terminais aquaviários e 33 terminais terrestres, totalizando 1.777 tanques.

Refino do Petróleo, por © Ygor Crissaff, Instrutor de Petróleo e Gás (para ver a imagem ampliada, dê um duplo-clique sobre ela)

Está em curso a privatização não somente das refinarias, mas de oleodutos e terminais das regiões Nordeste e Sul. O modelo de privatização prevê a criação de duas subsidiárias, uma reunindo ativos da Região Nordeste e a outra reunindo ativos da Região Sul. A Petrobrás pretende vender 60% da participação acionária em cada uma dessas novas subsidiárias.

Caso sejam criadas e privatizadas essas subsidiárias, todos os ativos, compostos por refinarias (RNEST, RLAM, REPAR e REFAP), oleodutos e terminais, serão controlados por empresas privadas, que terão o monopólio do refino e logística nas regiões Nordeste e Sul.

Importa ressaltar que os preços praticados pela Petrobrás podem ser administrados pela União, que detém o controle do capital votante da empresa. Um monopólio privado, sem regulação, poderá levar à escassez de suprimento e ao aumento do preço dos derivados.

Para se evitar abusos por parte do controlador, propõe-se a regulação dos preços dos derivados no Brasil, de modo a garantir preços compatíveis com os do mercado dos Estados Unidos, por exemplo. No caso de não haver autossuficiência em determinados derivados, uma redução dos tributos pode garantir a competitividade da importação de derivados necessários ao abastecimento interno. Também nesse caso, os preços seriam compatíveis com os do mercado internacional.

Nesse modelo, a Petrobrás pode continuar como a grande refinadora nacional, sem prejuízo para os consumidores brasileiros e para os potenciais investidores nacionais ou estrangeiros, que teriam suas rentabilidades asseguradas.

Importa destacar que a Petrobrás produz petróleo e derivados com alta eficiência e baixo custo.

Somados o custo de refino e outros custos, como administrativos e de transporte, o custo médio de produção de derivados, como o óleo diesel, é da ordem de US$40 por barril, para um valor do barril do petróleo a US$70. Utilizando-se uma taxa de câmbio de R$3,70 por Dólar e como o barril tem 158,98 litros, o custo médio de produção do diesel é de apenas R$0,93 por litro. Nenhuma empresa privada terá um custo de produção tão baixo.

As privatizações e desinvestimentos em curso reduzem deliberadamente a participação da Petrobrás em atividades previstas no seu objeto social, a despeito do relevante interesse coletivo, com efeitos sobre a atividade da empresa e sobre a economia brasileira.

As atividades de refino e logística não são importantes apenas para o Brasil e para a Petrobrás; elas são fundamentais para todos os países e para as grandes empresas petrolíferas, privadas ou estatais, como a ExxonMobil, Shell, Rosneft e CNPC.

Nos Estados Unidos e na China, a capacidade de refino de petróleo é muito superior à capacidade de produção. Na Rússia, segundo maior exportador de petróleo do mundo, a capacidade de refino é duas vezes maior que o consumo. No Brasil, a capacidade de refino é inferior tanto à capacidade de produção quanto ao consumo.

No cenário empresarial, a ExxonMobil é a maior empresa refinadora do mundo, com uma capacidade da ordem de 5,5 milhões de barris de petróleo por dia; a Shell vem em segundo lugar com uma capacidade de refino de 4,1 milhões de barris por dia. Essas empresas apresentam uma capacidade de refino superior à de produção, ao contrário da Petrobras.

Se forem concretizadas as vendas das refinarias do Nordeste e do Sul, a capacidade de refino da Petrobras ficará muito menor que a de produção da empresa, pois, em conjunto, essas refinarias podem processar cerca de 0,8 milhão de barris de petróleo por dia.

Abu Dhabi National Oil Corporation – ADNOC, estatal dos Emirados Árabes, planeja dobrar sua capacidade de refino e triplicar seu potencial no setor petroquímico até 2025.

A estatal da Arábia Saudita, Saudi Aramco, planeja aumentar sua capacidade de refino de 5 para 10 milhões de barris de petróleo por dia e dobrar sua produção petroquímica até 2030. A área química é estratégica para a estatal nas próximas décadas para diversificar o risco de uma queda na demanda de petróleo.

Observa-se, então, que as privatizações das unidades de refino, terminais e dutos das regiões Nordeste e Sul pela Petrobrás não estão em linha com o cenário internacional.

Vale ressaltar, também, que o argumento apresentado pela Petrobrás para essas privatizações não se sustenta tecnicamente, pois a dívida líquida da Estatal já se reduziu de US$106,2 bilhões, em 2014, para US$84,8 em 2017. A previsão é de uma dívida líquida de US$69 bilhões no final de 2018. Com isso, o índice de alavancagem caminha para 2,5 no final de 2018, em sintonia com parâmetros internacionais.

A província petrolífera do Pré-Sal, que é uma obra-prima da criação, foi descoberta pela Petrobrás e está em pleno desenvolvimento e produção, a baixíssimo custo, em razão da tecnologia desenvolvida pela Estatal.

O petróleo do Pré-Sal pode ser uma fonte de recursos para as áreas de educação, ciência e tecnologia, e defesa nacional. Pode, ainda, ser uma importante fonte de matérias-primas para o refino e a petroquímica nacional. Nesse contexto, não há como negar a importância estratégica da Petrobrás, não somente na área de exploração e produção, mas também no refino e distribuição. Importa registrar que nenhuma das grandes empresas petrolíferas do mundo abrem mão de ter uma estrutura verticalizada.

Se gerido sem visão estratégica, o Pré-Sal pode tornar-se uma maldição. Sua descoberta, em vez de reforçar a visão histórica e estratégica da Petrobrás como empresa integrada de energia, pode levar à desintegração da Estatal, acarretando graves consequências até para a segurança nacional.

  • • • • •

Paulo César Ribeiro Lima é PhD em Engenharia Mecânica pela Cranfield University (1999), ex-consultor legislativo do Senado Federal e ex-consultor legislativo da Câmara dos Deputados.

REPASSANDO: “NESTAS ALTURAS” nossos “entreguistas de plantão” já estarão assanhados para tentar, por todos os meios,

“oferecerem de mão beijada” nosso petróleo do PRE=SAL – reservas das maiores do mundo – às gananciosas multinacionais

tirando de nossa estatal o “filet mignon” de nos fornecer os combustíveis a preços justos e até exportar todo o excedente!

OLHO VIVO, GENTE! 

BN

Empresário dos ônibus do Rio de Janeiro, Barata Filho diz que setor repassou propinas de R$ 145 milhões ao emedebista Sérgio Cabral desde 2010

Há evidências de que opera no transporte coletivo de passageiros no Rio de Janeiro uma grande quadrilha. Penso que aqui tenhamos algo parecido, bem parecido, pois quando PARTIDO DOS TRABALHADORES assumiu a Prefeitura de nossa Capital e tentou colocar ordem a reação foi grande e até mesmo violenta. Por que os AGENTES do MP em nosso Estado não examinam tal situação? Se nada for constatado, ótimo, mas penso que possa haver algo aqui muito parecido com o que ocorre lá.

O Editor

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

O empresário Jacob Barata Filho, do setor de ônibus do Rio de Janeiro, disse que o setor repassou R$ 145 milhões em propinas ao ex-governador emedebista Sérgio Cabral, no período de 2010 a 2016. Ele depôs nesta quarta-feira (12) ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, no âmbito da Operação Ponto Final. Barata, que chegou a ser preso no Aeroporto Internacional do Galeão, quando estava prestes a viajar ao Exterior, ressaltou que ele próprio jamais entregou qualquer valor a Sérgio Cabral. Segundo ele, quem tratava diretamente de pagamentos era o ex-dirigente da Federação das Empresas de Ônibus (Fetranspor), José Carlos Lavouras, atualmente no Exterior, foragido da Justiça. Jacob Barata Filho contou a Bretas que a prática do pagamento de propinas a políticos era muito antiga no estado do Rio de Janeiro, e que ela só não ocorreu durante o governo de Leonel Brizola, que acabou encampando algumas empresas.
O empresário fez questão de desmistificar a informação de que sua família possui grande participação no setor, chegando a ser chamado de “rei dos ônibus”. Segundo ele, sua família possui 12% do setor municipal e 5% do intermunicipal. Durante o interrogatório, foi revelado que existe um outro processo, do Ministério Público Federal, que investiga as relações do setor de ônibus com o poder municipal, mas que a investigação está sob sigilo.
Copiado de:   https://poncheverde.blogspot.com/2018/12/empresario-dos-onibus-do-rio-de-janeiro.html

Um dos filhos do Bozo é ímpar

 

 

Um dos filhos desse cidadão conseguiu algo inimaginável, ou seja, ser Deputado Estadual no Rio de Janeiro e sair limpinho e cheiroso, onde todos, todos mesmos são corruptos e desonestos.

Isto sim é uma façanha digna de ser estudada e muito bem estudada, pois creio esteja no DNA desse deputado a cura aos males da corrupção que grassa em nosso país faz muito, muito tempo mesmo embora tenham convencido ao povão que o problema da corrupção é fruto exclusivo do Partido dos Trabalhadores.

Minhas andanças nesse dia

 

 

Fui a Porto Alegre tratar de assuntos pessoais. Na ida observei na BR-101 entre Osório e Porto Alegre grande  movimento de veículos da polícia ostensiva rumando possivelmente ao litoral.

Primeiro foram camionetas dessas zebradas horizontalmente assim como várias motocicletas, todos os veículos com luzes vermelhas para chamarem a atenção ligadas. Minutos depois e no mesmo sentido várias camionetas da guarda rodoviária que rumaram não sei para onde, por que aqui no litoral não se percebe essa guarda rodoviária fazendo a obrigação e prova disto é que não há, penso um único boteco em nossa cidade que não disponha de cigarros PARAGUAIOS.

Assim eles continuam apenas rodando de um lugar a outro, mas prestação de serviço mesmo, pouquíssimo ou nada.

No retorno rumando pela Avenida Assis Brasil à BR é irritante rodar, pois a todo instante ouvimos o equipamento de navegação nos avisando de radares a 40, radares a 60 km, assim como lombadas.

Para que mesmo serve esse tal Prefeito? Eu sei, pois faz poucos dias ficou batendo papo com funcionários da rádio ‘Gáucha’ por longo tempo durante a tarde.

 

 

 

Page 1 of 4539

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén