quinta-feira, 14 de março de 2013

Com a invenção da internet – como a conhecemos hoje – o mundo da notícia teve uma grande transformação. As informações são mais rapidamente compartilhadas e encontradas.


Os blogs, que contavam alguns milhões em 2003, deixaram de ser simples diários de adolescentes e se transformaram em fonte de informações e notícias, ocupando seu espaço midiático ao lado da imprensa tradicional, a qual também se viu obrigada a criar seus próprios blogs, para interagirem melhor com seus leitores.

Os maiores jornais do mundo têm seus blogs com seus jornalistas e colunistas. Hoje, muitas notícias nos grandes jornais são provenientes de pequenos blogs, cujos blogueiros presenciaram ou foram atores de fatos que viraram notícia. Ou, até mesmo, foram corajosos em investigar ou denunciar fatos que a imprensa tradicional e outros meios de comunicação tiveram medo em divulgar ou, por motivos escusos, não comentarem.

A imprensa tradicional perdeu não só espaço como, também, a confiança dos leitores. E foi mais pela credibilidade perdida que os blogs se tornaram influentes em qualquer parte do mundo.
Com quase nenhum custo, sem funcionários, sem a obrigação de apresentar publicações regulares, sem a técnica do jornalismo tradicional, sem fazer parte de um sistema no qual está inserida a grande mídia e – o mais importante – com o direito de publicar o que quer.

Os blogs com temas políticos como o Pena Digital conquistaram milhões de leitores mundo afora, com artigos bem escritos ou não, porque a grande massa de internautas procura nos blogs  principalmente, a credibilidade!, não um belo formato.
Cansados de ouvir e ler notícias pagas por governos, políticos e grandes organizações, de não terem voz dentro desse sistema de informações cada vez mais controlado pelo capital e pelo poder, internautas passaram a procurar nas páginas da internet blogueiros que emitem críticas contra esse mesmo sistema, e falam de fatos que não serão divulgados pela grande imprensa do país ou pela imprensa de sua cidade.
É de se destacar que o leitor de um jornal ou ouvinte de uma rádio deveria saber quem paga as contas desses meios de comunicação, para que possa, a partir daí, analisar o que lê e o que ouve neles.

São pessoas simples que se aventuram na edição de blogs, ou até mesmo profissionais de várias áreas que possibilitam o exercício da cidadania não só a si próprios, como também permitem que outros possam ter o mesmo direito de livre expressão, sempre na busca de uma cidadania plena e de um Estado Democrático sólido em seus princípios de liberdade.
A livre opinião faz parte desses princípios, ainda que carregue em seu bojo críticas a outros atos amparados pelo mesmo Estado Democrático. Assim deve ser a democracia.

Afora o embate entre os jornalistas com diploma e os que se intitulam como um deles, sem que o título tenha sido conquistado em uma universidade, blogueiro não pretende ser jornalista, nem quer ser visto como tal. Blogueiro quer ser blogueiro. E prova disso é que há jornalistas que possuem blogs e se apresentam, também, como blogueiros.
O que há de semelhança entre eles é o fato de levarem informações a seus leitores. Entretanto, os jornalistas o fazem por profissão, enquanto os blogueiros o fazem por hobby ou por exercício de cidadania.
Não estou considerando aqui os blogueiros que são pagos para atuarem de forma político-partidária. Nem dos que (re)produzem informações com suporte (equipe de edição, setor comercial, funcionários etc.) semelhante ao de uma empresa jornalística.

O que mais se exige dos blogueiros e o que mais se questiona é a imparcialidade. Eu tenho uma opinião a respeito sobre o tema. A imparcialidade não tem como subsistir nos blogs constituídos pela sua essência principal, que é a da livre opinião, a qual é formada por fragmentos da personalidade, da educação, da cultura, da história, do meio em que vive a pessoa que a emite. Logo, o blogueiro emitirá sua opinião de acordo com suas ideias e seus princípios. Como ele possui o direito de escrever sobre o que ele quiser, cabe a ele, portanto, direcionar o tema de acordo com seus objetivos, não podendo, porém, faltar com a verdade, distorcer os fatos e ser irresponsável.

Se blog é imprensa e se blogueiro é jornalista, é uma discussão sem qualquer importância para nós blogueiros de temas políticos, pois a qualificação dos blogs ou de seus editores não interferirá em nossos objetivos, que é o de promover e incentivar a participação da sociedade na política e na administração da coisa pública, bem como discutir essa mesma sociedade.

(O blog Pena Digital foi criado em dezembro de 2008, mas sua primeira postagem divulgada ocorreu em 15/01/2009)

Fonte: http://www.blogpenadigital.com/2013/03/blog-e-imprensa-blogueiro-e-jornalista.html