09 DE JANEIRO DE 2019, 17H13

Música ironiza o caso do ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), investigado por movimentação financeira considerada suspeita pelo Coaf, e provoca o presidente Jair Bolsonaro que, de acordo com a letra, teria “enganado” seus eleitores. Ouça

Reprodução
  

Por RBA

“O cheque não caiu na minha conta/ Eu não tinha tempo pra sacar/ Mandei pôr na conta da Michelle/ Pra depois a grana rachar.” É assim que a marchinha de Carnaval intitulada Micheque Bolsonaro ironiza o caso de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), envolvendo movimentação financeira considerada suspeita pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Ele movimentou R$ 1,2 milhão no período que vai de 1º de janeiro de 2016 a 31 de janeiro de 2017.

A marchinha, de autor ainda não divulgado, também brinca com os eleitores do presidente Jair Bolsonaro (PSL). “Eu era a esperança/ Dessa grande nação/ Enganei meus eleitores e ganhei a eleição”, canta.

As transações de Queiroz foram consideradas atípicas. Ele já foi chamado duas vezes ao Ministério Público para prestar esclarecimentos, mas não compareceu. O Coaf detectou a emissão de um cheque seu de R$ 24 mil em depósito para a primeira-dama, Michelle Bolsonaro – que inspira o nome da marcha.

Copiado de:  https://www.revistaforum.com.br/caso-queiroz-vira-tema-de-marchinha-de-carnaval-cheque-nao-caiu-na-minha-conta/