Published março 11, 2016 Uncategorized 3 Comments
Tags: Estado de Emergência, Fascismo, globo, golpe

TOCAR FOGO NA GLOBO

Globo carro
A Morte de Getúlio Vargas foi provocada pela campanha incessante contra ele feito pela mídia que já era capitaneada pelo Globo. O povo foi as ruas e reagiu contra a Globo. Isto ajudou o senso comum a identificar o maior inimigo do Brasil e do Povo. É tempo de mostrar de novo ao povo que a Globo é a grande inimiga do Brasil e dos brasileiros.
O Estado de Direito esta sendo atropelado constantemente. Um Juiz de primeira instância prende, mantém preso e só liberta depois de delações seletivas e focadas em prender um líder nacional, mesmo não tendo provas. O Ministério Público atropela todas as raias do bom senso e quer se anteceder nos ataques ao mesmo líder, criando um ridículo pedido de prisão preventiva, sem nexo, mas que é devidamente usado pela oposição golpista. A Justiça esta subvertendo sua razão de ser, prendendo pessoas para obrigá-las a falar e mesmo antes de qualquer condenação. Um corrupto de quatro costados, já absolutamente comprovado, continua dirigindo o Congresso Nacional, que ao que tudo indica, prepara o impedimento da Presidenta legitimamente eleita, baseado em fatos não passíveis de impedimento, mas que será conduzido politicamente, para que seja condenada por crimes que de fato os próprios parlamentares reconhecem que ela não cometeu. Os meios de comunicação capitaneados pela Globo, assim como já haviam feito em 1954,1961 e 1964, comandam do alto de suas audiências farta propaganda mentirosa, derrotista e golpista para aviltar as opiniões e forçar uma mobilização anti democrática de largas proporções, com o objetivo de avalizar o golpe em andamento nos tribunais e no Congresso Nacional. As condições previstas pela ONU no Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos para a Decretação do Estado de Emergência estão dados.

Artigo 4.1 Em tempo de uma emergência pública que ameaça a existência da nação e cuja existência seja proclamada por um acto oficial, os Estados Partes no presente Pacto podem tomar, na estrita medida em que a situação o exigir, medidas que derroguem as obrigações previstas no presente Pacto, sob reserva de que essas medidas não sejam incompatíveis com outras obrigações que lhes impõe o direito internacional e que elas não envolvam uma discriminação fundada unicamente sobre a raça, a cor, o sexo, a língua, a religião ou a origem social
A existência da nação esta ameaçada. Não por que gente fantasiada de camiseta da corrupta CBF vai as ruas protestar contra a “corrupção”. a existência da nação esta ameaçada por que Juízes, Procuradores e Policiais Federais resolveram tomar para si o Estado de Direito e ameaçando gravemente a nação com o uso de suas instituições contra os direitos da cidadania, legitima e duramente conquistados.

A PresidentA, por sua origem e sua índole democratica, não convocará as Forças Armadas para a Defesa da Constituição. E ao não fazê-lo, abre a possibilidade do Golpe que urdem as elites brasileiras mancomunadas com o capital internacional. Se o Golpe se concretizar de fato, o que advirá será o desemprego, a liquidação de programas sociais e o fim do curto período onde o Brasil despontou como uma Grande liderança Internacional, capaz de construir instrumentos como o BRICS, que mexem na geo política internacional.

De minha parte, me junto aqueles que combatem corajosamente contra a onda fascista incentivada pelos meios de comunicação. Alguns pregam pelo não confronto, mas há alguma possibilidade de derrotar os loucos fascistas sem este confronto? Todas as vezes que as forças de esquerda recuaram “republicanamente”, as hostes fascistas avançaram e permitiram aos lambe botas do capital internacional assumirem o poder. Quando a Esquerda resistiu, como em 1961, quando vieram com a mesma lenga lenga de “parlamentarismo”, para não permitir o Presidente Jango Goulart assumir, Brizola comandou a resistência através da Rede da Legalidade ,a partir do Rio Grande e o golpe não aconteceu.

Fonte: https://luizmullerpt.wordpress.com/2016/03/11/decretar-o-estado-de-emergencia-ou-constituir-a-rede-da-legalidade/