Nosso país somente não desandou em termos de segurança como uma maionese por que as POLÍCIAIS JUDICIÁRIAS também conhecidas como civis embora com expressivas carências materiais e humanas vem se desdobrando e literalmente fazendo chover para cima. Exemplo é essa apreensão dos colegas de SC com a prestimosa e valiosa colaboração da POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL, esta outro belo exemplo, pois com menos de dez mil servidores cobre todo o território de nosso país que é continental. Com esse desempenho da PRF por certo os traficantes irão usar rodovias estaduais e aí em nosso Estado estarão livres, leves e soltos, pois a guarda rodoviária aqui só é vista no verão por que regada por polpudas diárias. Após isto eles parece tomarem DORIL, vez que somem. Ontem no programa Atualidades Pampa no Canal 4 de nosso Estado o senhor Armando Burd teceu rasgados elogios à POLÍCIA JUDICIÁRIA que havia desbaratado quadrilha que costumava tomar dinheiro em bancos e sempre fora do ‘horário comercial’.

O Editor

 

 

Ânderson Silva
Deic apreende cinco toneladas de maconha na BR-101 que vinham para o Litoral de SC Betina Humeres/Agencia RBS

Droga apreendida foi apresentada pela Deic nesta manhã

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Um caminhão carregado com pelo menos cinco toneladas de maconha que saiu de Dourados, no Mato Grosso do Sul, e vinha para o litoral de Santa Catarina foi apreendido pela Divisão de Narcóticos (Denarc) da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic). O veículo foi interceptados na madrugada de quinta-feira na BR-101, em Garuva. O trabalho dos agentes contou com a parceria da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e da Receita Federal, que ajudaram no monitoramento do trajeto feito pelo caminhão.

Segundo o delegado responsável pela Denarc, Pedro Mendes, o produto estava na caçamba de um caminhão bi-trem escondido sob uma carga de milho. Outros dois caminhões também carregados com milho foram abordados no mesmo momento, pois estavam praticamente em comboio com o veículo onde estava a droga. No entanto, não havia entorpecentes dentro deles.

O destino final do carregamento de milho no veículo apreendido era Lauro Müller, mas a polícia acredita que o caminhão iria parar em Palhoça, na Grande Florianópolis, onde então seria distribuído para o restante da região.

— É a maior apreensão de maconha feita em estradas de Santa Catarina. Ainda não estamos, mas estimamos cinco toneladas. Somadas com outras quatro toneladas que pegamos em outubro do ano passado, são quase 10 toneladas em sete meses — explicou Mendes.

O motorista do caminhão era Éder Fabrício da Rosa, 35 anos. Ele não tinha passagens pela polícia. Em depoimento, alegou que não sabia que a droga estava dentro do caminhão. Durante o carregamento, disse ter visto apenas que haviam colocado milho na caçamba.

A droga estava dividida em 165 grandes pacotes. Em alguns deles havia adesivos do símbolo do Avaí e em outros o desenho de um abacate, o que pode estar ligar ao destino dos pacotes. Mesmo com o scaner da Receita não foi possível perceber que havia a maconha na carga. Somente com a abertura do bi-trem é que os agentes perceberam a presença do produto.

— A carreta estava no nome de pessoa jurídica. Então vamos chamar o proprietário da empresa para explicar a presença da droga no veículo — contou o delegado.

O valor da droga apreendida está estimado em R$ 5 milhões. Por isso, agentes envolvidos na ação acreditam que somente o crime organizado pode ter força para a compra e distribuição dos produtos. A cidade de origem da droga, Dourados (MS), é um ponto conhecido da rota do tráfico de drogas que chega em SC. O município fica próximo a Ponta Porã (MS), que faz fronteira com o Paraguai, de onde vem a maior parte das drogas comercializadas no Estado.