Telegram

 

 

Na edição da Crusoé de duas semanas atrás, uma reportagem de Fabio Leite mostrou que a investigação da PGR sobre as relações entre Wilson Witzel e o Iabas guardava coincidências com informações reunidas num dossiê de que Jair Bolsonaro teve conhecimento. “Havia dúvida se o material tinha ido parar no Palácio do Planalto. Agora não há mais”, publica a revista nesta semana, na sua seção de notas.

“Uma pessoa muito próxima a Jair Bolsonaro fez chegar a Augusto Aras peças do dossiê que amarrava as ligações entre o governo de Wilson Witzel e o Iabas, a organização social que, semanas depois, viraria peça-chave da investigação sobre o governador do Rio. Como mostrou Crusoé, a apuração requisitada pela Procuradoria-Geral da República teve início pouco depois de aterrissar no Palácio do Planalto um arrazoado apontando as suspeitas sobre Witzel e indicando que, ao puxar o fio do Iabas, as autoridades poderiam esbarrar em outros rivais políticos do presidente, como o grupo do governador paulista, João Doria, e a deputada Joice Hasselmann. Logo após receber o dossiê, assessores diretos de Bolsonaro prometeram que mandariam investigar a história. O próprio presidente, informado, disse que era preciso tomar providências. Havia dúvidas se, do Planalto, o material tinha ido parar na PGR. Agora não há mais: uma pessoa envolvida diretamente na operação admitiu a Crusoé, sob reserva, que mandou o material para o gabinete de Aras.”

Copiado de: https://www.oantagonista.com/brasil/dossie-contra-witzel-foi-mandado-do-planalto-para-a-pgr-diz-revista/?utm_source=oa-email&utm_medium=news&utm_campaign=NEWS-OA-2020-06-05-TARDE&utm_content=link-1&oa_seg=28a352704968ab1de5a2ee2b852228ca41d25cc99c15f288869033b46b36b1d8&oa_umh=f760cf1cad9e464e949859a780065eef&oa_news=related