Temos mais um domingo com calor acima do normal e teremos também chuva, a bendita chuva que poucos reconhecem necessária à sobrevivência das espécies.

Breve, muito breve, nossa espécie será varrida da face desse planeta e devemos boa parte disto aos senhores do AGRO, gente que apenas pensa em plantar e colher cada vez mais e assim aumentado suas contas bancárias. Esquecem eles que seus descendentes não poderão usufruir esse dinheiro por que o planeta já não nos suporta mais.

Hoje mais do que no passado nos comportamos como uma nuvem de gafanhotos quando baixa sobre uma lavoura, ou seja, nada deixamos restar.

Em nosso país e também por influência das malditas religiões não admitimos o controle da natalidade, pois quantos mais houver, em tese, mais bobos haverá para dar dinheiro a esse bando de picaretas.

Assim nas periferias sem trabalho e com um salário que não permite nem mesmo a apenas uma pessoa viver com um mínimo de dignidade, isto quando conseguem um trabalho, vão os pobres proliferando de forma descontrolada vez que a eles não resta outro prazer que não o sexo que diga-se de passagem é algo maravilhoso.

Tenho observado em nossos mercados que a mercadoria mais consumida não é nenhum alimento e sim álcool na forma de cerveja. Eles não comem quase nada sólido e sim quase que somente álcool.