Praia de Xangri-Lá

Saiba tudo o que REALMENTE acontece em Xangri-Lá

Matopiba: assim o campo vira mercadoria

Soja do Matopiba já representa 11% da produção nacional, segundo Embrapa

Relatório revela: fundos de pensão da Europa e EUA envolvem-se em expulsão de camponeses, violações de direitos humanos e destruição ambiental, na nova fronteira do agronegócio brasileiro

Pela Caravana Matopiba, no Correio da Cidadania

Os im­pactos da fi­nan­cei­ri­zação de terras na re­gião do Ma­to­piba (Ma­ra­nhão, To­can­tins, Piauí e Bahia) são tema do re­la­tório “Os Custos Am­bi­en­tais e Hu­manos do Ne­gócio de Terras”, lan­çado na Con­fe­rência de Aber­tura do I Se­mi­nário sobre Es­tran­gei­ri­zação de Terras e Se­gu­rança Ali­mentar e Nu­tri­ci­onal, na Bi­bli­o­teca Cen­tral da Uni­ver­si­dade Fe­deral de Per­nam­buco, em Re­cife.

O re­la­tório, apre­sen­tado pelo as­sessor sê­nior da Fian In­ter­na­ci­onal, Flávio Va­lente, des­creve e ana­lisa os im­pactos am­bi­en­tais e sobre os di­reitos hu­manos cau­sados pela ex­pansão do agro­ne­gócio e pela es­pe­cu­lação de terras na re­gião Norte/Nor­deste do Brasil, co­nhe­cida como Ma­to­piba.

“A re­gião tem sido ví­tima de uma ex­pansão agres­siva do agro­ne­gócio, em par­ti­cular de mo­no­cul­turas de soja, que trazem con­sigo a ex­pro­pri­ação de co­mu­ni­dades ru­rais e des­truição am­bi­ental. A ex­pansão do agro­ne­gócio e a cres­cente es­pe­cu­lação de terras têm sido ali­men­tados por fundos vindos de agentes fi­nan­ceiros in­ter­na­ci­o­nais, em par­ti­cular de fundos de pensão dos EUA, Co­reia do Sul, Reino Unido, Ale­manha, Lu­xem­burgo, Suécia e Ho­landa”, des­taca Flávio Va­lente.

O Re­la­tório “Os Custos Am­bi­en­tais e Hu­manos do Ne­gócio de Terras” é fruto de duas mis­sões de in­ves­ti­gação re­a­li­zadas em se­tembro de 2017 e ja­neiro de 2018. A pri­meira missão do­cu­mentou as con­sequên­cias das apro­pri­a­ções de terras para as co­mu­ni­dades no es­tado do Piauí e reuniu-se com au­to­ri­dades do go­verno bra­si­leiro. A se­gunda missão ocorreu na Eu­ropa e con­cen­trou-se no en­vol­vi­mento de fundos de pensão da Ho­landa, Ale­manha e Suécia na ex­pansão do agro­ne­gócio e nas apro­pri­a­ções de terras na re­gião.

Fundos de in­ves­ti­mentos in­ter­na­ci­o­nais

Um dos apon­ta­mentos do do­cu­mento é o pro­cesso de trans­for­mação da terra em um bem fi­nan­ceiro. “Agentes fi­nan­ceiros (como bancos, em­presas de cor­re­tagem, se­gu­ra­doras, fundos de pensão, fundos de in­ves­ti­mento, agên­cias de in­ves­ti­mento e fundos de ca­pital de risco), estão, cada vez mais, vendo a terra como uma boa opção de in­ves­ti­mento. Esses agentes fi­nan­ceiros ca­na­lizam seus fundos para a compra de terras e para ati­vi­dades re­la­tivas ao uso da terra, de forma a di­ver­si­ficar seus in­ves­ti­mentos, au­mentar os lu­cros e di­mi­nuir os riscos”, aponta Flávio Va­lente.

O Re­la­tório evi­dencia que as mo­no­cul­turas de soja co­me­çaram a aden­trar na re­gião do Ma­to­piba no início dos anos 2000 e estão se ex­pan­dindo desde então. “De­vido à crise fi­nan­ceira de 2007/2008, o ne­gócio com terras se tornou mais ren­tável que a pro­dução agrí­cola. Isso levou à cri­ação de em­presas re­la­ci­o­nadas à terra que não se en­vol­viam di­re­ta­mente com a pro­dução, mas se de­di­cavam com­ple­ta­mente à aqui­sição, venda, ar­ren­da­mento e/ou ad­mi­nis­tração de terras.

A fal­si­fi­cação de tí­tulos de pro­pri­e­dade é uma das ca­rac­te­rís­ticas desse ne­gócio. Pois é uma forma de ofi­ci­a­lizar (ou ao menos si­mular) a pro­pri­e­dade de terras ad­qui­ridas ile­gal­mente. Os agentes que atuam na re­gião são apoi­ados por agentes fi­nan­ceiros in­ter­na­ci­o­nais que in­vestem grandes quan­tias no ne­gócio de terras, o que ali­menta o atual pro­cesso de es­pe­cu­lação e con­se­quen­te­mente ter­mina e de­ter­mina a ex­pulsão vi­o­lenta da po­pu­lação”.

A pes­quisa ve­ri­ficou que o fundo de pensão dos EUA, TIAA, possui quase 300 mil hec­tares de terra no Brasil, por volta de um terço dessas terras estão nos es­tados da re­gião do Ma­to­piba. A maior parte dessas terras é ad­mi­nis­trada por dois fundos de­di­cados às terras agrí­colas, os TIAA-CREF Global Agri­cul­ture LLC I e II (TCGA I e II), que so­mados valem US$ 5 bi­lhões. A maior parte dos que in­vestem no TCGA I e II são in­ves­ti­dores ins­ti­tu­ci­o­nais, fundos de pensão em par­ti­cular.

Dentre eles estão o Ärz­te­ver­sor­gung West­falen-Lippe (ÄVWL) da Ale­manha, que in­vestiu US$ 100 mi­lhões no TCGA I, o ABP da Ho­landa, que in­vestiu US$ 200 mi­lhões no TCGA II, e o se­gundo Fundo de Pensão Na­ci­onal Sueco (AP2), que in­vestiu um total de US$ 1,2 bi­lhão no TCGA I e II. O TIAA e esses ou­tros fundos se apre­sentam como in­ves­ti­dores “res­pon­sá­veis” e são parte de vá­rios es­quemas de res­pon­sa­bi­li­dade so­cial cor­po­ra­tiva (CSR).

“Esses fundos de pensão operam por meio de com­plexas redes de in­ves­ti­mentos, de forma a con­tornar as me­didas pre­vistas na lei bra­si­leira que li­mitam a pro­pri­e­dade de terras por em­presas es­tran­geiras”, de­nuncia Va­lente.

As vi­o­la­ções dos di­reitos hu­manos e a des­truição am­bi­ental

A missão in­ter­na­ci­onal de in­ves­ti­gação de se­tembro de 2017 do­cu­mentou os im­pactos so­ciais e am­bi­en­tais cau­sados pela ex­pansão do agro­ne­gócio e pela es­pe­cu­lação de terras na re­gião do Ma­to­piba em 7 co­mu­ni­dades no sul do Piauí. Os re­sul­tados mos­traram que a po­pu­lação local sofre com as graves con­sequên­cias do des­ma­ta­mento, da perda da bi­o­di­ver­si­dade e da con­ta­mi­nação ge­ne­ra­li­zada do solo, da água e do gado por agro­tó­xicos.

“Além disso, o uso de vi­o­lência contra lí­deres co­mu­ni­tá­rios está au­men­tando, assim como as dis­putas por água, que são agra­vadas pelas mu­danças nos pa­drões de chuva de­vido à de­gra­dação am­bi­ental. A po­pu­lação local está per­dendo suas terras, o que causa a des­truição de seus meios de sub­sis­tência, rup­turas nas co­mu­ni­dades e in­se­gu­rança ali­mentar e nu­tri­ci­onal. Em muitos casos as pes­soas se veem for­çadas a mi­grar para as fa­velas nas grandes ca­pi­tais”, aponta Flávio Va­lente.

O do­cu­mento res­salta que o Es­tado bra­si­leiro – em ní­veis fe­deral, es­ta­dual e mu­ni­cipal – vi­olou suas obri­ga­ções re­la­tivas aos di­reitos hu­manos ao pro­mover o avanço do agro­ne­gócio na re­gião, ao não pro­teger a po­pu­lação local das ações dos gri­leiros lo­cais, das em­presas do agro­ne­gócio e dos in­ves­ti­dores, e ao não es­ta­be­lecer uma pres­tação de contas. “Não res­peitou e pro­tegeu o di­reito co­le­tivo à terra da po­pu­lação local e as ma­neiras es­pe­cí­ficas com que eles uti­lizam e ad­mi­nis­tram seus ter­ri­tó­rios”, co­menta Flávio Va­lente.

Para ter acesso ao do­cu­mento, clique aqui.

versão ori­ginal do re­la­tório, em in­glês, foi lan­çada no dia 4 de julho na Eu­ropa.

Ca­ra­vana

Or­ga­ni­zada por FIAN Brasil, FIAN In­ter­na­ci­onal, Co­missão Pas­toral da Terra (CPT) e Rede So­cial de Jus­tiça e Di­reitos Hu­manos, a Ca­ra­vana Ma­to­piba ve­ri­ficou in loco, entre os dias 6 e 11 de se­tembro de 2017, os in­dí­cios de gri­lagem de terras por em­presas na­ci­o­nais e es­tran­geiras e as con­se­quentes vi­o­la­ções de di­reitos hu­manos de­cor­rentes dessas gri­la­gens. A Ca­ra­vana foi com­posta por 34 or­ga­ni­za­ções bra­si­leiras e in­ter­na­ci­o­nais, que per­cor­reram mi­lhares de quilô­me­tros no sul do Piauí e do Ma­ra­nhão vi­si­tando co­mu­ni­dades im­pac­tadas pelo avanço re­cente do agro­ne­gócio na re­gião.

Copiado de:  https://outraspalavras.net/outrasmidias/capa-outras-midias/matopiba-assim-o-campo-vira-mercadoria/

 

 

Anteriores

Lo que logra Bolsonaro: mundo político chileno se une para expresar “alarmante” preocupación por posible triunfo del candidato ultraderechista

Próximo

Curva das três pesquisas Vox no 2º turno aponta para vitória de Haddad

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén