Praia de Xangri-Lá

Saiba tudo o que REALMENTE acontece em Xangri-Lá

Ministro da Agricultura diz que não vai bater boca com PF via imprensa sobre a Carne Fraca

 

Ministro da Agricultura diz que não vai bater boca com PF via imprensa sobre a Carne Fraca José Cruz/ABR

Blairo Maggi, ministro da Agricultura

Foto: José Cruz / ABR

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, criticou neste domingo a “narrativa” da Operação Carne Fraca pela Polícia Federal. Maggi reclamou que o Ministério da Agricultura não foi consultado e disse que poderia ter esclarecido pontos que foram considerados irregulares pela PF, mas são práticas do setor.

— Em função da narrativa é que se criou grande parte dos problemas que temos hoje — afirmou.

Após a entrevista, Maggi disse que não ficaria “batendo boca” com a PF via imprensa. Ele citou um áudio sobre papelão e disse que ficou claro que se tratava de embalagem, e não que o material seria misturado à carne, como indicou a polícia.

— É uma idiotice. As empresas gastaram milhões de dólares para conquistar mercados, e vão misturar papelão? — questionou.

Leia mais:
Ministério da Agricultura vai criar força-tarefa para investigar frigoríficos
Partidos e produtores europeus pedem suspensão de carne brasileira
Carne de jantar de Temer era importada, dizem funcionários de restaurante; Planalto nega

Maggi também citou outro áudio que mostra um dono de frigorífico adquirindo carne de cabeça de porco para usar em linguiça.

— Carne de cabeça de porco pode ser utilizada em determinados porcentuais, em determinados produtos. Está no regulamento — completou.

Maggi disse que o governo respeita as investigações, mas que questionou a PF o porquê de o Ministério da Agricultura não estar presente nas investigações.

— Por que não estávamos presentes para dizer que cabeça de porco pode ser utilizada ou que ácido ascórbico é vitamina C? — afirmou.

De acordo com o ministro, a PF explicou que a Agricultura era parte da investigação, por isso não foi consultada, mas que a investigação agora terá o apoio técnico da pasta.

Maggi disse estar preocupado com a repercussão da operação em relação aos mercados importadores.

— Uma atuação forte de países impedindo o recebimento de mercadorias significaria crise muito grande, por isso nosso apelo a embaixadores e os esclarecimentos de que estamos trabalhando muito fortemente para resolver esses assuntos — acrescentou.

De acordo com o ministro e representantes do Itamaraty, não houve suspensão de importação por nenhum país e não houve referência a isso na conversa com os embaixadores. O presidente Temer também não abordou a questão na conversa com o presidente dos EUA, Donald Trump, no último sábado por telefone.

O Ministério da Agricultura se comprometeu a informar os nomes de empresas investigadas que exportaram nos últimos meses, quais os produtos e por onde as mercadorias circularam.

— Os levantamentos iniciais que nós temos é que pouquíssimas empresas tiveram movimentação nos últimos 60 dias — completou.

Maggi disse ainda que serão verificados os motivos para trocas de fiscais em determinadas plantas, apontadas pela PF como indicativos de corrupção. Uma das acusações é que fiscais que começavam a “apertar” a fiscalização eram trocados de locais. De acordo com o ministro, há mais de um ano já não é possível trocar os fiscais sem cumprir uma série de regras.

Outro ponto que será verificado é saber se toda a cadeia ligada aos frigoríficos suspeitos está sendo alvo de fiscalização e se todos os procedimentos estão sendo cumpridos.

— Poderíamos tomar medida mais drásticas de interditar todas as plantas, mas o efeito na cadeia seria muito grande — afirmou.

Fonte:  http://dc.clicrbs.com.br/sc/noticia/2017/03/ministro-da-agricultura-diz-que-nao-vai-bater-boca-com-pf-via-imprensa-sobre-a-carne-fraca-9752133.html?post_id=10212171865961132_10212267781798968#_=_

Anterior

Conviver não é fácil, especialmente com chinelões, isto mesmo chinelões

Proxima

TV Mirante foge do estádio depois de anúncio da chegada de Flávio Dino

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén