Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Carlos Alberto Bencke, advogado (OAB-RS nº 7.968)

Impressionado pelas constantes investidas na mídia digital, o incauto consumidor interiorano fez o pedido de um aparelho que o tornaria “um amante imbatível” e que “satisfaria quaisquer desejos da pessoa amada”. E que prometia nada mais nada menos do que “aumentar o tamanho do pênis”.

A fornecedora era bem conhecida dele, pelos e-mails que recebia diariamente.

O “milagre” veio num pacote sem qualquer identificação do conteúdo. Quando o consumidor abriu, uma surpresa o prostrou: era uma lupa com uma potente lente de aumento.

Ele então ingressou com ação no Juizado Especial Cível, pedindo a devolução dos 350 reais que investira, além de uma reparação moral.

Na audiência, a empresa pediu desculpas pela zombaria de mau gosto, debitando o fato a um funcionário que, descoberto, já fora demitido. O juiz leigo propôs acordo: a empresa devolveria o dinheiro, entregaria ao demandante um “aumentador” e pagaria indenização de R$ 3 mil.

O autor impôs condições para aceitar o acordo: “Doutor, estou satisfeito com o volume do órgão e não preciso do dinheiro. Preciso é de mais intensidade. Proponho que me entreguem, durante dois anos, mensalmente, uma caixa com 15 comprimidos daquele remedinho azul”.

A empresa concordou e o acordo foi homologado.

Detalhe cronológico coincidente: a audiência foi em 13 de agosto de 2018 – hoje está completando um ano. Circula na “rádio-corredor” da Subseção da OAB que o consumidor está fazendo o maior sucesso nas noites interioranas.

Copiado de:   https://www.espacovital.com.br/noticia-37221-para-medir-tamanho-acutedaquiloacute